Alexandre Mury

 

Vida e obra


Alexandre Mury, 1976, retrato do artista, fotografia divulgação

Biografia resumida


O artista fidelense, Alexandre Mury, nasceu em 1976, vive e trabalha em São Fidélis, RJ.

Mury possui obras nos acervos de museus renomados, como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio), o Museu de Arte do Rio (MAR) e o Museu da Fotografia Fortaleza (MFF). 

Mury é graduado em Comunicação Social e iniciou um mestrado em Comunicação e Cultura na UFRJ. Além de sua produção artística, Mury é um pesquisador independente dedicado aos estudos de iconografia na História da Arte.

Em 2016, recebeu uma indicação ao Prêmio Pipa, reconhecimento de sua significativa contribuição para a cena artística contemporânea.

Mury é um artista multidisciplinar que tem um trabalho de destaque com a fotografia conceitual e performance, explorando a complexidade da identidade, cultura e história da arte.

Trajetória e formação

Natural de São Fidélis, uma pequena cidade do interior do Rio de Janeiro, Alexandre Mury é filho de mãe costureira e pai carpinteiro. Desde muito cedo demonstrou interesse pelas habilidades manuais e pelo desenho. Iniciou sua carreira como desenhista aos 16 anos em uma fábrica de embalagens. Posteriormente, trabalhou como locutor de rádio entre 1996 e 2000.

Em busca de conhecimento e aprimoramento, mudou-se para Campos dos Goytacazes, RJ, onde cursou Publicidade e Propaganda na Faculdade de Filosofia de Campos (atualmente, UNIFLU), formando-se em 2000. Já no ano seguinte, atuava como diretor de arte em uma agência de publicidade, cargo que exerceu por três anos. Em 2003, iniciou um mestrado em "Comunicação e Cultura" pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mas abandona-o pouco antes da conclusão. Durante esse período, também lecionou no curso de comunicação social no Centro Universitário Fluminense (UNIFLU, Campos dos Goytacazes, RJ), no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF, Campos dos Goytacazes, RJ) e na Fundação São José (FSJ, Itaperuna, RJ) até 2004.

Em 2005, mudou-se para Vitória/ES e retomou sua carreira como diretor de arte em uma agência de publicidade. Ao longo de suas mudanças de cidade, trabalho e estudos, Mury sempre reservou tempo para realizar experiências artísticas divulgadas de forma despretensiosa na internet. Em 2010, recebeu uma proposta de representação comercial de seu trabalho fotográfico. E, no mesmo ano, teve a honra de ser convidado para expor no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio), participando da mostra "Novas aquisições da Coleção de Gilberto Chateaubriand - 2007/2010".

Suas obras estão presentes nos acervos do MAM-Rio (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro), MAR (Museu de Arte do Rio) e MFF (Museu da Fotografia Fortaleza), além de variados acervos particulares de importantes colecionadores brasileiros e estrangeiros.

Destacam-se, no seu currículo, importantes exposições individuais, como "Fricções Históricas", em duas edições (2013 na Caixa Cultural, no Rio de Janeiro, e 2015 no SESC Glória, em Vitória, ES), com curadoria de Vanda Klabin. Além disso, participou da exposição "Genealogias do Contemporâneo" (2012) no MAM-RJ, onde compartilhou espaço com renomados artistas como Di Cavalcanti e Paulo Nazareth, sob a curadoria de Luiz Camillo Osório. 

Entre as diversas exposições coletivas de destaque, Alexandre Mury participou da mostra "Espelho Refletido - O Surrealismo e a Arte Contemporânea Brasileira" no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, em 2012, com curadoria de Marcus Lontra Costa, onde dividiu espaço com renomados artistas como Adriana Varejão, Ernesto Neto e Brígida Baltar. No ano seguinte, esteve presente na exposição "Virei Viral" no CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro. Em 2015, participou da exposição "Ver e ser visto" no MAM-Rio, com curadoria de Guilherme Gutman, onde teve a oportunidade de compartilhar o espaço com grandes nomes como Artur Barrio, Cildo Meireles, Gustavo Speridião, Nelson Leirner, Rosângela Rennó, Tunga, entre outros. No mesmo ano, expôs na Caixa Cultural de Brasília e do Rio de Janeiro na mostra "Novos Talentos: Fotografia Contemporânea no Brasil", com curadoria de Vanda Klabin, ao lado de artistas como Berna Reale e Rodrigo Braga. Em 2017, participou da exposição "A luz que vela o corpo é a mesma que revela a tela" na CAIXA Cultural do Rio de Janeiro, com curadoria de Bruno Miguel, onde teve a oportunidade de expor junto a jovens expoentes da arte brasileira, como Camila Soato, Bruno Vilela e Ana Elisa Egreja. 

Alexandre Mury é reconhecido pela sua contribuição artística e indicado ao Prêmio Pipa em 2016. 

Linguagem e conceitos

A obra de Alexandre Mury é permeada por uma narrativa pessoal e autobiográfica, em que ele se coloca como "protagonista e agente de suas próprias criações", como descreveu a curadora Vanda Klabin. Sua biografia é intrinsecamente ligada às suas expressões artísticas, e é por meio desse mergulho profundo em sua própria identidade que ele alcança uma poética única e instigante.


Mury utiliza o autorretrato como uma ferramenta poderosa para explorar questões de identidade, cultura e história da arte. O psicanalista Guilherme Gutman diz que sua abordagem poética do espelho reflete uma profunda consciência do passado e do presente, entrelaçando-se com referências e obras icônicas de artistas consagrados. Ao recriar e reinterpretar essas obras, ele estabelece um diálogo provocativo com a tradição artística, desafiando convenções e criando novos significados.


A presença física de Mury em suas obras é essencial para a construção de sua linguagem artística. Ele se coloca como sujeito e objeto, fundindo-se com personagens da cultura popular, mitos históricos e até mesmo elementos da natureza. O corpo desempenha um papel importante em sua estética, sendo uma expressão da vulnerabilidade e da autenticidade humana. Através do corpo despido, Mury revela camadas emocionais e transcende as fronteiras do que é convencionalmente aceito.


Mury é um artista que não teme transgredir as normas estabelecidas e experimentar novas formas de expressão. A Historiadora da Arte Elisa Byington aponta que sua abordagem desafia convenções, seja através da apropriação, do pastiche, do kitsch ou da ironia. Ele desloca o vetor histórico da arte, recontextualizando obras de arte clássicas e desconstruindo-as com uma visão contemporânea. Sua obra é um convite à reflexão e à ampliação dos limites estéticos e conceituais.


Ao se deparar com as obras de Alexandre Mury, o Historiador e Curador Roberto Conduru salienta que o observador é confrontado com um universo artístico rico em referências, subversões e questionamentos. Através de sua linguagem visual e conceitual, Mury estimula o público a refletir sobre sua própria identidade, sobre os padrões estabelecidos pela sociedade e sobre a natureza da própria arte. Suas obras impactam emocionalmente e intelectualmente, convidando o espectador a se engajar em um diálogo profundo e pessoal.


Alexandre Mury é um artista multifacetado que utiliza a fotografia conceitual e o autorretrato como ferramentas poderosas para explorar questões de identidade, cultura e história da arte. Sua obra transgressora e experimental desafia convenções, estabelecendo um diálogo provocativo com o passado e o presente. Ao inserir sua presença física nas obras, ele cria uma conexão íntima com o espectador, despertando reflexões e emoções profundas.

Texto: Visão poética da obra de Alexandre Mury


O tempo se dissolve em um eco de memórias, aí surge o opus majestoso do artista Alexandre Mury. A fotografia se desvela das telas e esculpidos, ele não apenas pinta ou esculpe, mas tece fios de narrativas etéreas, entrelaçando passado e presente em frouxos nós. Seus autorretratos são como espelhos mágicos, refletindo não apenas a imagem física, mas os anseios mais profundos da alma humana. Neles, a trama do tempo se desfaz, e o passado dança com o presente em um dueto eterno. 


Cada obra é um portal para um mundo além, onde a realidade se desdobra em camadas de significado, como as páginas de um livro que sussurra segredos ao vento. Mury mergulha nas complexidades simbólicas, onde os objetos se transformam em arquétipos e os elementos adquirem vida própria, conduzindo-nos através dos labirintos do ser. Em suas mãos habilidosas, o tempo se curva e se contorce, tornando-se maleável como argila. Ele desafia os limites da realidade, transmutando o comum em extraordinário, o trivial em sublime. Cada obra é uma ode à humanidade, um testemunho silencioso de nossa busca pela transcendência.


Mury é um alquimista dos sentimentos, destilando a essência da emoção, onde o melancólico se mistura ao jubiloso, e o efêmero se funde ao eterno. Como um poeta das formas, ele nos convida a desvendar os enigmas do universo, a sentir além do que os olhos podem ver. Assim, ao contemplar as criações de Alexandre Mury, somos levados a uma jornada interior, onde as fronteiras entre arte e vida se dissolvem, e nos tornamos parte de algo maior do que nós mesmos. Pois, como ele nos lembra, a verdadeira arte não é apenas uma expressão estética, mas um acesso para a alma, um eco eterno na vastidão do universo. 




Coleções Importantes



Programa do Jô

Programa de entrevistas comandado por Jô Soares, que conversa com personalidades da política, das artes ou dos esportes, além de brasileiros anônimos.

O artista plástico Alexandre Mury fala sobre seu trabalho fotográfico com autoretratos.


Trecho: 16 min

Gênero: Talk Show, Personalidade, Variedades

Programa foi ao ar: 27/04/2012


Artistas relacionados

Artistas relacionados


Claude Cahun

Francesca Woodman

Luigi Ontani

Cindy Sherman

Yasumasa Morimura

Samuel Fosso

Gilbert & George

Orlan

Matthew Barney

Robert Gligorov

Rodrigo Braga

Rotimi Fani-Kayode

Pyuupiru

Shalva Nikvashvili


Pierre et Gilles

Erwin Olaf

Roger Ballen

Sandy Skoglund

David LaChapelle

Annie Leibovitz


Olaf Breuning

Ana Mendieta

Zhang Huan

Zanele Muholi

Jeff Wall

Joel-Peter Witkin

Vanessa Beecroft

David Wojnarowicz

Maxwell Q. Klinger


Yinka Shonibare


Frida Kahlo

Van Gogh

Caravaggio


Marcel Duchamp

Leon Ferrari

Sherrie Levine

Lawrence Weiner

Joseph Kosuth

William Kentridge

Kiki Smith

Joseph Cornell

Kurt Schwitters

Raoul Hausmann


Berna Reale

Paulo Nazareth

Vik Muniz

Nelson Leirner

Hélio Oiticica

Eduardo Berliner

Tarsila do Amaral

 Referências

Obra: Criação de Adão, de Alexandre Mury,  em Montagem da exposição Fricçôes Históricas, curadoria de Vanda Klabin